PEDIDOS DE OPINIÕES

Pedimos a quem nos visite!... que nos deixe a vossa opinião, utilizando o espaço das mensagens ou comentários, estamos empenhadas a 100% neste blogue.
Mas, gostávamos de saber se o mesmo, será do vosso agrado...Para nós é muito importante a vossa opinião.

Porque, este blogue, foi criado a pensar em si.
Um bem-haja para todos.....obrigado

---------------------------------------------------------------


sexta-feira, 12 de março de 2010

ANA MOURA

LAVAVA NO RIO LAVAVA ( Amália Rodrigues)



LAVAVA NO RIO LAVAVA

Lavava no rio, lavava
Gelava-me o frio, gelava,
Quando ia ao rio lavar.
Passava fome, passava,
Chorava, também chorava,
Ao ver minha mãe chorar!
Cantava, também, cantava!
Sonhava, também, sonhava!
E, na minha fantasia,
Tais coisas fantasiava,
Que esquecia que chorava,
Que esquecia que sofria!

Já não vou ao rio lavar,
Mas continuo a chorar!
Já não sonho o que sonhava!
Se já não lavo no rio
Por que me gela este frio
Mais do que então gelava?

Ai, minha mãe, minha mãe
Que saudades desse bem,
Do mal que então conhecia
Dessa fome que eu passava,
Do frio que me gelava
E da minha fantasia!

Já não temos fome, mãe!
Mas já não temos também
O desejo de a não ter!
Já não sabemos sonhar,
Já andamos a enganar
O desejo de morrer!

quarta-feira, 10 de março de 2010

GABINO FERREIRA

ALFAMA ( Henrique Perry / Joaquim Campos )

video

ALFAMA

Alfama antiga dos nobres
Morada do velho Gama
E da primeira nobreza
Hoje és o berço dos pobres
Mas mesmo assim velha Alfama
Mostras que és bem portuguesa

Alfama pela manha
Parece uma cidadela
Onde a ambição não existe
Moira tornada cristã
Tua canção é mais bela
Cantada no fado triste

Alfama Santa Luzia
Velando por ti velhinha
Pelas tuas tradições
Quer de noite ou quer de dia
Estás sempre aos pés da santinha
Em constantes orações

Velha mãe da minha mãe
No teu encanto bairrista
Alfama tu tens amarra
És a minha mãe também
Por isso é que sou fadista
Nasci ao som das guitarras

FRUTUOSO FRANÇA

ELOGIO RURAL ( Frutuoso França )

video

ELOGIO RURAL

Quando nas verdes ramadas
Canta alegre rouxinol
Brilha o aço das inchadas
Á luz doirada do sol

Sujos negros do suor
Da sua pesada lida
Os braços do cavador
São alavancas da vida

Alavancas pelo bem
Esteios da produção
Revolvendo a terra mãe
A terra que nos dá pão

Pode um cavador ser rude
Ignorante não contesto
Mas tem a grande virtude
De ser toda a vida honesto

Tem calos com muita honra
Trabalha por isso os tem
Ter calos não é desonra
Não fica mal a ninguém

P’ra manter a sua prol
O trabalho é seu patrono
Antes um dia sem sol
Do que uma inchada sem dono

ESMERALDA AMOEDO

FUMAR É MATAR SAUDADES ( Ary dos Santos / Fado Menor )

video

FUMAR É MATAR SAUDADES

Fumando a gente se encontra
Connosco mesmo outra vez
Ninguém sabe quanto conta
Um cigarro português

Quem nunca foi emigrante
Sofrendo por seu país
Mal sabe quanto é bastante
O que um cigarro nos diz

É no filtro da lembrança
Lume aceso da saudade
Que um homem feito criança
Fuma a própria mocidade

E fumando é que se encontra
Consigo próprio outra vez
Ninguém sabe quanto conta
Um cigarro português

ERMELINDA VITÓRIA

O MEU PROTUGAL( )

video

MEU PORTUGAL


Meu país é Portugal
De beleza sem rival
Com o céu da cor de anil
Nesse pequeno tesoiro
Cai o sol em chuvas de oiro
Dando á terra graças mil

Na minha aldeia as moçoilas
Com malmequeres e papoilas
E as aloiradas espigas
Fazem ramos delicados
E oferecem aos namorados
Envolvidos em cantigas

Os rapazes graciosos
Com seus versos amorosos
E as modas regionais
Cantas ás moças canções
E roubam-lhes corações
Aos seus lindos madrigais

sexta-feira, 5 de março de 2010

FRUTUOSO FRANÇA

DIA DE PÁSCOA (D.P.)

video

DIA DE PÁSCOA

Esta história passou-se entre crianças
No rossio ali perto ao monumento
Esvoaçavam alegres pombas mansas
E um velhinho oferecia-lhes alimento

Era dia de pascoa e muita gente
Se juntou pra ver o bom velhinho
Enquanto uma menina meigamente
Dava amêndoas a um pobre rapazinho

O pai que estava ao pé indagar quis
Vendo o gesto da filha humana e boa
E perguntou conheces o petiz
Eu não querido paizinho mas perdoa

Vi-o tão pobre assim com atenção
Vendo as pombas comer coitadinho
Notei que tinha fome e dei-lhe então
Minhas amêndoas todas meu paizinho

O pai diz-lhe só quero abençoar-te
Pela tua nobre acção de humanidade
Bendito seja sempre quem reparte
Pelos pobres a santa caridade

CÉSAR MORGADO

ÁRVORE DE NATAL ( Tito Rocha / Fado Menor )

video

ÁRVORE DE NATAL

Aquela árvore despida
Pelas mãos do vendaval
É a árvore do natal
Dos que não têm guarida

Dezembro noite medonha
A chuva cai de seguida
Tornando ‘inda mais tristonha
Aquela arvore despida

Nem sequer uma só folha
Resistiu ao temporal
Não houve excepção na escolha
Pelas mãos do vendaval

O trovão rebenta breve
Amedrontando o casal
E triste cheia de neve
É a árvore do natal

Quem não tem casa nem mesa
Quantas vezes diz na vida
Não tem pena a natureza
Dos que não têm guarida

quinta-feira, 4 de março de 2010

CAROS JOSÉ TEIXEIRA

HORIZONTE SEM QUADRAS ( Carlos J. Teixeira / F.Pinto - Fado Meia Noite )
video

HORIZONTE SEM QUADRAS

O pensamento que avança
Pr’além do próprio além
É um grito de criança
Dado no ventre da mãe

Eu sou o verso esquecido
Que o poeta não escreveu
O eco dum som perdido
Dum grito que ninguém deu

Quem tem muito e não dá nada
Finalmente nada tem
A água do mar salgada
Não mata a sede a ninguém

Eu sou a água da fonte
Que ainda está p’ra nascer
A linha do horizonte
Que vocês não podem ver

BEATRIZ FERREIRA

TRÊS BEIJOS (Joaquim de Campos)

video

TRÊS BEIJOS

Eu nunca pedi um beijo
Ao primeiro amor que tive
Não me faltava o desejo
Mas o desejo contive

Depois ao segundo amor
Beijei e não fui beijada
Era um amor sem calor
Era fogueira apagada

Terceiro amor que doidinhos
Nos beijos e nos desejos
Nasceram os três filhinhos
Tão lindos como três beijos

ARMINDA DA CONCEIÇÃO

NÃO ME CHAMES TRIGUEIRINHA ( Jaime Santos / João de Freitas

video

NÃO ME CHAMES TRIGUEIRIHA

Não me chames trigueirinha
Que eu não gosto já te disse
Chama-me antes moreninha
Porque contém mais meiguice

Se tu és o meu senhor
E eu a tua rainha
Em nome do nosso amor
Não me chames trigueirinha

Não penses que é por vaidade
Ou por qualquer birra minha
Portanto faz-me a vontade
Chama-me antes moreninha

Pois sempre á boca pequena
Ao passar sem garridice
Todos me chamam morena
Porque contém mais meiguice

segunda-feira, 1 de março de 2010

NATALINO DUARTE

PORQUE GOSTO DO FADO ( João Black / Francisco Viana )

video

PORQUE GOSTO DO FADO

Trago o fado a saltitar
No meu peito bem vincado
Eu nasci para cantar
O meu destino é o fado

Canto o fado esse lamento
Porque o fado na verdade
Tem o dom do sofrimento
Tem o sabor da saudade

Gosto do fado esse encanto
Que me traz acorrentado
E por isso quando canto
Fujo de mim p’ra ser fado

Porque se ao fado me ligo
Faz parte do meu viver
O fado nasceu comigo
E comigo há-de morrer

NATALINA BIZARRO

ESTE MEU FADO (J.Mota,Dr. / Jorge Fontes)

video

ESTE MEU FADO

Este meu fado
Que ninguém recordará
Não é lamento chorado
Duma vida ao deus dará

Este meu fado
É uma flor que nasceu
Das ruínas do passado
Onde o nosso amor nasceu

Este meu fado
É o fado dessas noites em que eu ia
Levada por ânsia louca
A esquecer a tua boca
Na boca do que me querida
Este meu fado
É o fado duma existência vivida
Em dias que são contados
Por um rosário de fados
Que trouxeste á minha vida

A minha dor só existe na lembrança
Dessa batalha em que o amor
Destruiu a própria esperança
A minha dor grito de um sonho roubado
É hoje apenas a flor que nasceu desse meu fado

RAÚL PEREIRA

SAUDOSO FADO ( Clemente Pereira / Miguel Ramos )

video

SAUDOSO FADO

Quem nunca ouviu na velha Alfama o som plangente
A vibração de uma guitarra pelas vielas
Nunca escutou esse queixume que anda ausente
Aquele fado que embarcou nas caravelas


Guitarra amiga anda comigo
Velha cantiga que é do fado ter abrigo
A nossa voz em todo o lado
Será pra nós o porta-voz do nosso fado

Quem nunca ouviu no Bairro Alto e Madragoa
Vozes fadistas em vibrantes desgarradas
Nunca escutou nas velhas ruas de Lisboa
Todo o encanto das saudosas madrugadas

Guitarra amiga anda comigo
Velha cantiga que é do fado ter abrigo
A nossa voz em todo o lado
Será para nós o porta-voz do nosso fado

Quem não viveu naquele tempo da nobreza
Junto aos plebeus na Mouraria em comunhão
Deve ter pena em não viver toda a grandeza
Daquele fado que nos fala a tradição

Guitarra amiga anda comigo
Velha cantiga que é do fado ter abrigo
A nossa voz em todo o lado
Será pra nós o porta-voz do nosso fado

TRISTÃO DA SILVA

CHINELA ( Maunuel Paião / Eduardo Damas )

video


CHINELA

Encontrei uma chinela
Perdida na Mouraria
Fiquei com ela na mão
A ver se a dona aparecia

Depois vi uns olhos negros
E um sorriso sem vida
Era a dona da chinela
Que andava também perdida

Ela encontrou a chinela
E eu encontrei-a a ela
Na rua do Capelão
Hoje já não está perdida
Encontrou a própria vida
E eu perdi o coração

Naquela estreita viela
Bem no meio da Mouraria
Uma pequena chinela
Transformou a noite em dia

Oh chinela de verniz
De pequenino tacão
Tu andas toda inteirinha
Dentro do meu coração

Ela encontrou a chinela
E eu encontrei-a a ela
Na rua do Capelão
Hoje já não está perdida
Encontrou a própria vida
E eu perdi o coração

MARIA DO CARMO (ALTA)

OS BEIJOS SÃO COMO AS ROSAS (D.P.)

video

OS BEIJOS SÃO COMO AS ROSAS

Os beijos são como as rosas
Têm espinhos e perfume
As pétalas nascem da alma
E os espinhos do ciúme

Na capela do meu peito
Tenho a saudade escondida
Fechada no coração
Com a chave da minha vida

Meu fado é o triste fado
O fado que eu tanto adoro
Quando geme uma guitarra
Pensam que canto mas choro

GABINO FERREIRA

RI SEMPRE ( Carlos Conde / Gabino Ferreira )

video

RI SEMPRE

Sofre mas ri dia a dia
Porque o riso faz-te bem
Quem vive sem alegria
Não faz cá falta a ninguém

Mostra sempre no teu rosto
Vida encanto simpatia
Nunca te dês ao desgosto
Sofre mas ri dia a dia

Ri de quem se ri de ti
Por maldade ou por desdém
De qualquer maneira ri
Porque o riso faz-te bem

Não é bem a quem padece
Que o choro mais alivia
Pois nem tristeza merece
Quem vive sem alegria

Nunca vive em maré alta
Quem alegria não tem
E a quem a alegria falta
Não faz cá falta a ninguém